sessão de mixagem

Como organizar sua sessão de mixagem em 7 passos

Ser organizado é muito difícil.

Por anos eu fui completamente desorganizado, e posso afirmar que ainda hoje não sou exatamente um exemplo disso. Mas eu precisei aprender a organizar a minha sessão de mixagem para fazer meus trabalhos renderem.

A ideia de ordenar as tracks dentro da DAW vem dos tempos em que as mixes eram feitas em grandes mesas de som. Com tantos faders iguais, como saber onde está cada coisa?

Claro, decorar é uma opção (até por isso muitos caras usam sempre a mesma ordem) mas não custa ter uma pequena ajuda. Como “evoluímos” dos consoles analógicos para as DAW’s, precisamos evoluir das canetinhas coloridas para algo também.

Separei 7 passos para você organizar a sua mix e parar de se perder cada vez que for preciso achar o cowbell. 😉 Apesar de eu usar o Pro Tools, você pode aplicá-las em qualquer programa que esteja usando.

Acompanhe.

1. Coloque instrumentos similares próximos

Eu sei, pode parecer bobo e simples, mas é muito comum encontrar os overheads depois do baixo em uma sessão de mixagem vinda de outra pessoa, ou a guitarra no meio da batera.

De toda forma, o primeiro passo para organizar a sua mix é agrupar os instrumentos similares próximos uns aos outros. Coloque as peças da batera próximas, percussões, violões, guitarras e por aí vai.

Um exemplo para te ajudar:

organizar sessão de mixagem canais
Muito organizado, não é mesmo?

2. Use cores diferentes para cada grupo de instrumentos

Lembra das canetinhas coloridas? Nas mesas analógicas, mixers e produtores usavam diferentes cores para indicar grupos de instrumentos. Vermelho = bateria, marrom = baixo, e por aí vai.

organizar sessão de mixagem
Sharpies 🙂

No home studio, dentro da sua DAW, vale a mesma ideia: use a mesma cor nas tracks de instrumentos dentro do mesmo grupo. Isso vai facilitar muito a sua vida, principalmente em projetos com dezenas de faixas.

Cada mixer diz que uma cor o lembra mais de um instrumento, então a sua escolha de cores é algo bem particular. A minha é sempre essa:

  • Vermelho = bateria;
  • Verde-claro = baixo;
  • Azul-claro = guitarras base;
  • Azul-escuro = guitarras solo;
  • Amarelo = Vox;
  • Marrom claro = backing vocal;
  • Verde-escuro = efeitos e auxiliares (Reverb, echo, delay, etc);
  • Laranja = subbusses;
  • Vinho = master.

ProTip:  Se você selecionar a opção Default Clip Color Coding no Pro Tools (Preferences > Display > Default Clip Color Coding > Track Color) todas as waverforms ficarão com a mesma cor da track. 🙂

3. Nomeie os canais de forma simples

Eu sei, existe uma vontade incontrolável de colocar GUITARRA_1_57_ORANGE_V30_4X12 como nome da sua track de guitarra. Mas a verdade é que isso não vai fazer diferença nenhuma pra ninguém, na verdade, pode atrapalhar mais do que ajudar.

Nomear os canais de forma simples não é só valioso para se organizar, mas para memorizar.

Quando eu abro uma mix antiga e olho para o BBCX logo no começo da sessão, eu sei que aqueles são os auxiliares que estão recebendo todas as tracks de bumbo e caixa. Se só houver um canal, é aquele.

nomeação sessão de mixagem
Quanto mais fácil melhor

Durante a mix, eu não preciso me preocupar em achar o canal certo do bumbo, ou tentar adivinhar que track é aquela.

3. Crie uma ordem e use-a para sempre

Provavelmente o maior segredo para organizar a sua sessão de mixagem é fazer a mesma coisa sempre. Eu sei, parece chato, mas é o segredo da organização. Quando você organizar as tracks em uma ordem e escolher cores para elas, use essa combinação para sempre!

Vai ser muito mais fácil conferir algo nas guitarras ou abaixar alguns dB’s da caixa. Tudo isso porque você vai saber exatamente qual é a localização daquela faixa na sua DAW.

4. Esconda os canais que não estão em uso ou ativos

Com tantos macetes para mixar e gravar, muitas vezes temos vários canais de uma mesma fonte e o som final é resultado da soma deles. Mas você não precisa ter esses canais abertos toda hora.

sessão de mixagem
Todos em uso, mas nenhum aparecendo 🙂

Um exemplo clássico é com guitarras: muitas vezes temos 2, 3 ou até mais tracks de um mesmo take. Ao invés de encontrar o equilíbrio que te agrada, jogar tudo para um auxiliar e continuar a vida, muitos preferem deixar todas as tracks abertas. Essa é a fórmula para deixar a sua sessão de mixagem uma zona!

Não dá.

Defina o equilíbrio entre os mics, crie um auxiliar, jogue todos os canais para ele e hide!

5. Crie groups (e VCA’s)

Os grupos são velhos conhecidos de muita gente. Você agrupa instrumentos em um mesmo group e precisa mexer apenas um fader para controlar todos.

É uma excelente opção para a bateria, ou guitarras que são a combinação de vários amps. Mas os segredos aqui são os VCA’s.

O VCA é um fader criado especificamente para controlar um grupo de faders. Assim, você não precisa fazer uma automação que afete todas as tracks daquele grupo, podendo desenhar uma automation apenas no VCA. Essa é uma função que eu consigo usar no Pro Tools, infelizmente não sei se o nome é o mesmo em outras DAW’s, mas com certeza existem opções semelhantes. (Se você souber me dá um toque nos comentários).

VCA
O fader marrom controla todos os outros sem alterar os envios de sinal

Uma dica é prestar atenção nos sends das tracks. Se eles forem pre-fader, então a alteração no grupo não vai influenciar o send para efeitos ou outras tracks. Se ele for pos-fader, a mandada mudará. Muitas vezes essa é a ideia, mas outras, não. 😉

PS: os grupos também são indispensáveis para editar, já que dá pra mover, cortar e deletar um grupo de canais ao mesmo tempo.

6. Crie markers

Os markers são marcadores na sessão de mixagem que indicam em que parte da música você está. O seu uso mais comum é para identificar a intro, verso, refrão, etc.

sessão de mixagem
Marcadores make things easy 🙂

Eles não só organizam visualmente a sua sessão como facilitam a sua vida para chegar até um marcador.  Usando o atalho “. + número do marker + .”, no PT,  você consegue acessar os marcadores e navegar entre as partes da música facilmente.

7. Separe instrumentos e efeitos

Na minha mix, sempre coloco efeitos através de canais auxiliares (AUX) para controlar quanto de cada instrumento eu quero enviar para cada um deles.

Isso facilita muito na hora de usar o mesmo reverb nos tons, bumbo e caixa, por exemplo. Ou trazer os instrumentos da mix para um mesmo ambiente utilizando efeitos.

Então, para não me perder em meio a várias tracks verde-claro, eu separo os instrumentos dos efeitos utilizando o master fader.

Simplesmente coloco os instrumentos à esquerda do Master Fader e efeitos e busses à direita.

instrumentos e FX sessão de mixagem

Tirei essa ideia de consoles analógicos (e até digitais) também, onde os VCA’s (ou faders de grupo) se encontram ao centro, dividindo os canais em duas ou mais partes. Isso acontece principalmente em mesas bem grandes (36 canais ou mais).

Eu não sigo a mesma ideia dos VCA’s (ao centro), mas é mais uma opção para testar.

Agora sua sessão de mixagem está nota 10 😉

Organizar a sua sessão de mixagem é bem simples. Provavelmente, você só vai precisar fazer isso uma vez (já que pode importar as configurações entre sessões). E depois que se acostumar da primeira vez, vai ser muito simples replicar os passos.

Acredite, você vai ganhar tempo no futuro gastando um pouquinho a mais na organização da sua sessão de mixagem logo que começar.

Você tem mais alguma dica de organização massa? Me dá um toque nos comentários!

Receba os melhores conteúdos sobre áudio
Ebooks, posts e vídeos exclusivos direto no seu inbox.
CONFIRMAR
É gratuito e você pode se descadastrar quando quiser. 🙂